Os ataques da rede TelexFREE

Por Antonio Martins
Do blog Outras Palavras


Outras Palavras de novo no ar
Ataques ao site foram interrompidos logo depois de denunciados. Rede de agressores permanece ativa: ministério da Justiça não pode permanecer omisso


Por volta das 20h30 de ontem (13/7), começou a ser desmobilizado o ataque que derrubou e manteve fora do ar, por quase 24 horas, os sites de Outras Palavras. O recuo ocorreu logo depois de difundirmos, pelo Facebook e por boletim de atualização disparado para 20 mil assinantes, a denúncia da agressão. Mais ou menos no mesmo horário, também o site da revista Carta Capitalque fora atingido de modo semelhante, voltou a ser acessível. A ameça, porém persiste. A rede que atacou os dois sites permanece ativa, e pode ser acionada a qualquer momento. Por sua natureza, só é possível neutralizá-la de modo eficaz se houver ação do ministério da Justiça e da Polícia Federal – algo que inexplicavelmente tarda, como revela Luís Nassif neste post em seu blog.

O gráfico acima revela o que ocorreu com os servidores que hospedam Outras Palavras, e confirma nossas hipóteses de ontem. Sofremos um Ataque de Negação de Serviço, ou DDoS [veja Wikipedia, em português ou inglês (mais detalhado)]. A curva indica o consumo de memória do servidor, ao longo do dia. O horário é o de San Francisco (EUA), quatro horas a menos que em Brasília.

O volume de memória contratado pelo site é 3,5 Mb, compatível com cerca de 10 mil textos lidos ao dia. Durante a quarta-feira, porém, o consumo ultrapassou frequentemente os 20 Mb, chegando a um pico de mais de 50 Mb e provocando uma sucessão interminável de quedas. Programado para religar automaticamente, o servidor era de novo derrubado, sempre que o fazia. Relatamos o ataque às 19h (15h em San Francisco). Logo em seguida, a agressão refluiu.

DDoS é um ataque de enorme poder que, no entanto, deixa rastros. Tornou-se mundialmente conhecido quando empregado, em dezembro de 2010, pelo coletivo Annonymous, em favor da liberdade de expressão e de Julian Assange (leia nossa matéria a respeito). Em resposta a uma ação do governo norte-americano, que ordenou o congelamento das doações feitas ao Wikileaks, cerca de 1500 ativistas do Annonymous derrubaram, por DDoS, sites de mega-organizações financeiras como Visa e Mastercard (que ajudaram no bloqueio financeiro). Nosso texto de então revela: para participar de um ataque deste tipo, basta baixar um programa e colocar o próprio computador na artilharia. No caso do Annonymous, os alvos são escolhidos em reuniões via internet, em linguagem cifrada e, segundo o grupo, sempre em favor das liberdades e direitos.

Mas e se uma organização criminosa usar a mesma arma com objetivos opostos? Surge, neste caso, uma ameaça extremamente grave à liberdade de expressão. A partir de 7/3, foram sistematicamente derrubados os sites que se referiam a um golpe financeiro, de tipo "pirâmide", possivelmente praticado pela empresa TelexFree, cuja propriedade é nebulosa. Caíram o blog Acerto de Contas (o primeiro a tratar do tema), o blog de NassifOutras Palavras, Carta Capital, jornais regionais que reproduziram as matérias. No caso de Nassif, a agressão estendeu-se por quase uma semana, durante a qual o blog alternava momentos de atividade com outros em que era derrubado. Tudo indica, portanto, que o esquema permanece ativo, mobilizando-se ou refluindo segundo escolhas táticas.

Nesse ponto, torna-se decisiva a ação das autoridades responsáveis por defender a liberdade de expressão na internet – ou seja, ministério da Justiça, Polícia Federal e polícias estaduais. Seu trabalho não é fácil, mas é perfeitamente possível. Há profusão de indícios segundo os quais uma empresa procura silenciar quem aponta suas ilegalidades – em particular, as "pirâmides", tipificadas há décadas como estelionato. O modus operandi da empresa baseia-se em mobilização de pessoas que atuam fundamentalmente na rede. Estas pessoas podem perfeitamente ter recebido, como parte de um pacote de aplicativos "de trabalho" um programa que alista suas máquinas no ataque contra os sites visados pelo esquema.

Há, portanto, rastros, possíveis provas, um claro caminho de investigação. Mas, conforme frisa Nassif, o aspecto mais desconcertante do caso é a paralisia do ministério da Justiça, num episódio em que lhe caberia articular a defesa de direitos e liberdades.

Haverá viés político no ataque aos sites? Nada autoriza a afirmar que sim, mas certos fatores permitem suspeitar. Por que os grandes grupos que dominam a velha mídia não tratam do caso?

Quem são os reais controladores da TelexFree? Haverá ligações entre eles e, por exemplo, os poderosos esquemas de difamação, via internet, que tentaram bombardear a então candidata Dilma Roussef, durante a campanha presidencial de 2010, em favor de outro postulante?

Só a investigação poderá responder. Por isso, e em nome da democracia, o ministério da Justiça não pode permanecer de braços cruzados.


A Redação de Outras Palavras

Comentários

VerdadeNua Ecrua disse…
Negócio tá pegando fogo até ameaça está rolando, acessem, vejam...confirma e divulguem pra mais ninguém cair nessa:

youtube.com/watch?v=SzFty3f-XaQ
Rendamaisbrasil disse…
Empresa devidamente registradas, com CNPJ, contrato devidamente registrado em cartório entre a COMMOM e a Yampactus, empresa com endereço físico.
40 milhões de reais recolhidos no último mês de imposto.
O produto voip, mais barato do mercado, e melhor qualidade, já testei via telefone e via software.
A empresa investe em publicidade: paga pra gente fazer o famoso e velho conhecido boca a boca.
Eu gozo de liberdade para fazê-lo via internet.
Em breve, estarei adquirindo o meu voip.
Eu já criei a minha senha secundária na mesma hora, em meu escritório.
Já solicitei e fiz saque de meu valor que estava em meu backoffice.
Eu ofereço a oportunidade para ingressar na Telexfree, parcelando a sua adesão, seja qual for e quantas forem, em até 12 vezes em seu cartão.
Saiba mais:
http://www.telexfreemaisbrasil.com

Grato