Cidadania que passa pelo bolso

28 de setembro de 2012


Choro e ranger de dentes por causa do liseu que dizem as fontes oficiais existir nos cofres cujas chaves estão com a governadora Rosalba Ciarlini.

Titular de planejamento, Obery Rodrigues sugeriu que a Parcela Autônoma de Equivalência, o auxílio-paletó pago a membros da magistratura e Ministério Público, fosse suspenso.

A ideia provocou nota de repúdio da desembargadora Judite Nunes, que quer acabar com a GTNS dos servidores do Judiciário, mas, como é mesmo que ela diz, não tolera  "tentar se estabelecer qualquer correlação entre o pagamento da PAE e eventuais dificuldades que tenha o Estado para efetuar o pagamento da folha do Executivo. São orçamentos distintos e valores totalmente diversos".

São distintos apenas formalmente. Mas na prática a fonte é uma só: os impostos extraídos do bolso do contribuinte.

Na briga ninguém se entende.

O governo diz indispor de dinheiro mas alocou R$ 10 milhões em crédito suplementar para a divulgação de programas governamentais.

Daí o Judiciário dizer que não tem nada a ver com o assunto.

Mais ou menos assim: tem para proganda mas não para pagar os servidores e quer tirar o nosso auxílio-paletó? Não vem que não tem...

Aí cada um argumenta a seu sabor.

"É pelos servidores", grita o Executivo de um lado.

"Mas os poderes são independente", esbraveja o Judiciário, do outro.

Nessa briga me pergunto por onde passa a cidadania desse povo.

Pelo bolso. Tão somente. E apenas.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions