A política de Henrique Alves: clientelismo e patrimonialismo

19 de janeiro de 2013

Você quer saber como Henrique Alves pensa que se faz política?  Veja o vídeo abaixo:



Em determinado momento do vídeo, Henrique conta uma estória para ilustrar a importância dele e de Garibaldi.  Afirma que Arlindo Dantas, então candidato a prefeito em São José do Mipibu (RN), se fosse em março de 2013 para uma audiência com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, seria recebido por uma secretária.  Um assessor do ministro o acomodaria numa sala e quando pudesse Padilha iria recebê-lo.  Mas aí o assessor diria ao ministro que Garibaldi Filho estaria com o prefeito.  O que mudaria o atendimento do ministro.
"É assim que é lá e eles sabem que eu sei", disse Henrique.
Esse seria motivo suficiente para que o povo de São José votasse em Arlindo.
É assim que Henrique vê democracia: patrimonialismo e clientelismo.  Não à toa é filho do governador do estado no Golpe de 64 - que apoiou o golpe.
"Quem está de braço dado com ele é o presidente da Câmara Federal do Brasil", "profetiza"Henrique.

Em tempo: Arlindo Dantas tinha uma filha que seria, supostamente, funcionária fantasma do IPEM na época de Rychardson Macedo - esquema desvendado pela Operação Pecado Capital.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions