Gonzaga: Uma confusão narrativa

17 de janeiro de 2013

A audiência de Gonzaga - De Pai pra Filho perde para a antecessora O Canto da Sereia.

Na Folha de São Paulo

Não é segredo que o diretor Breno Silveira implorou para a Globo Filmes por mais tempo antes de lançar "Gonzaga - De Pai pra Filho" nos cinemas, em outubro.

Mas o longa era parte de um projeto que envolvia comemorações do centenário de nascimento de Luiz Gonzaga, e a microssérie que estreou anteontem na Globo.


Julio Andrade em cena de "Gonzaga - De Pai pra Filho"
Julio Andrade em cena de "Gonzaga - De Pai pra Filho"
No auge da correria para finalizar o longa, Silveira chegou a trabalhar com cinco montadores. A estratégia cobrou um preço: o filme virou uma confusão narrativa.

Na televisão, ele ganhou uma nova chance, mas não houve nenhuma mudança radical no primeiro episódio.

Era o momento de reagrupar o início da narrativa, que viaja de forma frenética por três linhas temporais em um curto espaço de tempo.

Porém a série, como no filme, só começa mesmo com 15 minutos de trama, quando acompanhamos o início da trajetória do Rei do Baião.

Pelo menos, a trilha maniqueísta, que inunda os momentos dramáticos --até os mais insignificantes--, ficou diluída na TV.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions