Poder público deve investir em cinema nacional?

18 de janeiro de 2013

A Folha de São Paulo de hoje faz uma matéria crítica sobre o investimento público em cinema nacional. O texto começa perguntando se "cofres públicos do Brasil devem financiar filmes comerciais, que faturam alto na bilheteria, ou obras mais autorais, que sofrem para conseguir verba de produção e espaço em salas de cinema?"
É claro que o enfoque da matéria está desajustado.
Todos os realizadores do Brasil - e os espectadores percebem - que o problema da baixa audiência do cinema nacional tem menos a ver com a qualidade das produções nacionais e muito mais com a dificuldade de conseguir emplacar filmes brasileiros no circuito nacional das salas de cinema.  Aliás, a própria quantidade de salas de cinema no Brasil ainda é muito pequeno e a maior parte dos municípios não possui locais de exibição.
É uma tarefa hercúlea produzir cinema no Brasil sem ter certeza de que haverá salas de exibição disponíveis.  Problema maior para quem o faz longe das maiores produtoras comerciais - como a Globo Filmes -, capaz de realizar um projeto que coloque na tevê, em formato minissérie, um filme que mal saiu dos cinemas, como "Gonzaga - De pai pra filho".
Em tempo: a matéria da Folha toca no assunto, mas nem é seu foco e, me parece, objetiva dar razão ao presidente da federação nacional de exibidores, Paulo Lui: "Quando há potencial, o exibidor dá espaço e o filme fica em cartaz".
Veja o texto completo abaixo:

Os cofres públicos do Brasil devem financiar filmes comerciais, que faturam alto na bilheteria, ou obras mais autorais, que sofrem para conseguir verba de produção e espaço em salas de cinema?
Levantamento feito pela Folha a partir dos dados divulgados pela Ancine (Agência Nacional do Cinema) sobre o mercado de cinema em 2012 demonstra o abismo existente entre a verba pública investida em um filme e seu número de espectadores.
O documentário "Expedicionários", de Otavio Cury, recebeu R$ 341 mil dos cofres públicos e foi visto por 104 pessoas nas salas de cinema. Ou seja, o filme obteve R$ 546 em bilheteria -e a verba pública investida corresponde a R$ 3.286 por espectador.
"As pessoas gostam dos filmes. Mas quase não há espaço para exibi-los. Não deixo de brigar para que eles sejam vistos também no circuito alternativo, que não entra nos dados da Ancine", diz Cury, também diretor de "Constantino", outro dos dez filmes nacionais menos vistos em 2012.
Por outro lado, "Até que a Sorte nos Separe", campeão nacional de bilheteria, recebeu ao menos R$ 2,7 milhões dos cofres públicos e foi visto por 3,3 milhões de pessoas (R$ 0,82 por espectador).
Fabiano Gullane, um dos produtores do longa que arrecadou R$ 33,8 milhões, diz que o sucesso de público gerou "muito mais" dinheiro em impostos do que os recursos públicos investidos.
"É um bolo dividido em muitas rendas, que são reinvestidas em outras produções. O problema do cinema nacional é o número reduzido de salas, o que dificulta o encontro com o público."
Hoje há 2.515 salas de cinema no país, segundo dados da Ancine --em 1975, eram quase 3.300 salas. Parte dos cineastas brasileiros reclama de preconceito por parte de distribuidores e exibidores.
"Quando há potencial, o exibidor dá espaço e o filme fica em cartaz", rebate Paulo Lui, presidente da Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas.
Mas até filmes com um tom mais comercial naufragaram em 2012. A comédia "A Novela das 8", por exemplo, captou R$ 3 milhões em dinheiro público e foi assistida nos cinemas por 5.147 pessoas (R$ 582 por espectador).
"Vários fatores contribuíram para números tão pequenos. Poucas cópias, nenhum marketing e a estreia próxima a dois blockbusters", justifica o diretor Odilon Rocha.
Bruno Wainer, que dirige a distribuidora e produtora Downtown, responsável por seis das dez maiores bilheterias nacionais de 2012, critica os filmes que não são vistos nos cinemas nem vão a festivais.
"Há cineastas que dirigem dois ou três filmes que não fazem sucesso e que não são relevantes, mas eles continuam a receber dinheiro [público] para produzir", diz Wainer.
De 2011 para 2012, houve queda no número de títulos (de 99 para 83) e de público (17,8 milhões para 15,5 milhões) nos filmes nacionais.
Com o sucesso das comédias, a participação nacional na bilheteria passou de 5,8%, no primeiro trimestre, para 22,7%, no último trimestre.
Para 2013, as principais apostas são "O Tempo e o Vento", de Jayme Monjardim, e uma sequência de "Até que a Sorte nos Separe".

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions