Sobre fugas de escravos no RN

15 de janeiro de 2013

Por Rostand Medeiros
http://tokdehistoria.wordpress.com/2011/06/03/anuncios-de-escravos-fugidos-no-rio-grande-do-norte/


Falar sobre escravidão no Rio Grande do Norte é um assunto complicado. O problema surge tanto pelo limitado número de fontes existentes, quanto pelas ideias já arraigadas entre a nossa sociedade sobre tão espinhoso assunto.



Em uma recente ocasião, ao debater com um estudioso potiguar sobre a escravatura em terras potiguares, ele me transmitiu que em sua opinião, devido ao número limitado de escravos que aqui existiu, não teria ocorrido tantas violências contra estes. Segundo esta pessoa, no Rio Grande do Norte os senhores de terras eram diferentes dos "malévolos escravocratas do sul do país e da Bahia" e que, devido a este bom tratamento dispensado aos cativos, se criou por aqui uma certa "escravidão mansa".

Tal ideia distorcida e a mim transmitida na atualidade, a muito já havia sido apontada pelo grande Joaquim Nabuco em sua obra "O Abolicionismo", como um pensamento existente na sociedade brasileira que tivemos uma escravidão pacífica e ordeira, com um cativo generoso, dócil e passivo. Esta teoria teria como base a ideia da "ausência do preconceito racial entre brancos e negros" e que gerou no Brasil uma pretensa democracia racial.




Mas apesar desta situação, desta pretensa "mansidão" geradora de mitos em favor dos senhores de escravos em terras potiguares, isso não significa que aqui não ocorreram as mazelas provocadas por este sistema.

Poucos Escravos

Se analisarmos os resultados do censo demográfico de 1872, o primeiro realizado no país, comprovamos que o número do chamado "elemento negro" realmente não era muito representativo no Rio Grande do Norte. Nos resultados deste censo, em sua página 82, aponta que a população livre potiguar era de 220.959 pessoas e o número total de escravos chegava a meros 13.020. Tanto no sertão como no litoral o número de trabalhadores livres era mais elevado que o de escravos.

Censo de 1872 - Província do Rio Grande do Norte. Fonte- Arquivo IBGE

Para efeitos de comparação, segundo dados deste mesmo censo demográfico, em 1872 a Paraíba, na época Parahyba do Norte, tinha 21.296 cativos, para uma população de 376.226 habitantes. No Ceará foram contados 31.913 escravos para 721.686 pessoas livres e em Pernambuco havia 89.028 escravos para 841.539 habitantes não escravos.

Com o surgimento da grande e calamitosa seca ocorrida entre os anos de 1877 a 1879, que provocou sérios desarranjos em nossa agricultura e teve como uma de suas consequências, a venda de uma grande parte dos escravos potiguares para outras regiões do país, o número de cativos no Rio Grande do Norte e em outras províncias nordestinas diminuiu mais ainda.



Mas o universo do cotidiano destes escravos por aqui, que nunca foi "manso", parece não ter se modificado com fim da seca, pois, segundo anúncios publicados em jornais da época, cativos buscavam fugir de seus senhores.

Através do apoio do amigo Celso Augusto Soares Antas, possuidor de uma bela coleção de antigos jornais potiguares, do seu escritório localizado no tradicional bairro carioca de Copacabana, me enviou dois raros anúncios que apresento em nosso trabalho, onde podemos conhecer um pouco mais do sofrimento dos nossos escravos.

O Fugitivo com um Chapéu de Couro

Na edição do jornal "O Brado Conservador", publicado na cidade de Assú, no dia 23 de setembro de 1881, informa que na fazenda "Sant'Anna", fugiu um escravo que atendia pela graça de Antônio.




"O Brado Conservador", publicado na cidade de Assú, no dia 23 de setembro de 1881

Este cativo era "peça" que pertencia ao Senhor João pereira da Circuncisão e estava "alugado", ao Senhor Francisco Xavier de Albuquerque Montenegro. Estes senhores tinham propriedade no lugar Ilha de São Francisco, em Macau.

O cativo Antônio, de "30 annos de edade, pouco mais ou menos", é descrito primeiramente como "cabra", que segundo a "Grande Enciclopédia Delta Larousse", página 1.166, edição de 1978, designa "Descendente de mulato com negro; mulato escuro". Na sequência o fugitivo teria "altura regular" (cerca de 1,70 m.), andava curvado, tinha o cabelo "carapinho" (daqueles que nascem espiralados desde a raiz), vestia camisa e calça brancas, de "algodão da Bahia", e havia um toque sertanejo na sua indumentária, pois Antônio protegia a cabeça com um tradicional "chapéu de couro".

Seu dono pedia que quem o capturasse o trouxesse para a fazenda Ilha de São Francisco, em Macau, ou na fazenda São Pedro, de propriedade do Senhor Honório Xavier da Cunha Montenegro, provavelmente irmão do Senhor Francisco Xavier. Estes ofereciam pela captura do fujão a quantia de 50$000 réis.

Em 1881, no vizinho Ceará já existiam locais onde ocorriam manifestações em favor da libertação dos escravos e em 1884 esta torna-se a primeira província brasileira a abolir a escravidão. Não sei se o motivo da fuga de Antônio foi devido a ele ter conhecimento de notícias sobre pessoas que propagavam ideias de liberdade dos cativos na província vizinha. Pessoalmente acredito que esta fuga foi tão somente um puro desejo de liberdade.

Um Violeiro Que Enganou a Polícia em Natal

A segunda nota é igualmente do ano de 1881, mas do dia 29 de dezembro, dando conta que há quase dois anos, um cativo de nome Francisco estava foragido da então povoação de Luís Gomes, no extremo oeste potiguar. O dito escravo pertencia ao Senhor Álvaro de Almeida Cavalcanti, que aparentemente seria proprietário das terras da fazenda Lagoa de Cima, próximo a atual área urbana de Luís Gomes.



A descrição deste escravo (como o leitor pode ver no anúncio ampliado clicando na foto) é bem interessante. Francisco era um adulto de 44 anos, altura regular, bons dentes, etc. Mas salta aos olhos o termo "mãos bem pinta das de branco". Creio que a nota queria dizer que, além das palmas das mãos de Francisco ser bem claras, não seriam mãos rudes, cheias de calos, de quem pegava todo o dia no cabo da enxada. Mas seriam mãos de quem tinha de ter destreza e apuro com ferramentas necessárias a função de um sapateiro, de um caldeireiro (certamente de um engenho de rapadura, onde ele deveria preparar e limpar a garapa da cana-de-açúcar para fazer a rapadura batida), e de um tocador de viola. Estas, segundo a antiga nota de "O Brado Conservador", eram as aptidões do escravo fujão.

Consta que o fugitivo foi comprado pelo Senhor Álvaro três anos antes de sua fuga, no ano de 1877, em plena seca. Talvez seu antigo dono Francisco da Costa, se desfez da sua "peça" por dívidas contraídas no período da grande estiagem, ou porque seu escravo dava muito trabalho pela sua rebeldia.

Sabemos através da nota que Francisco não era aquele tipo de escravo destinado apenas a enxada e que certamente ele tinha capacidade de compreender a lógica escravocrata do mundo dos brancos. Pois em maio de 1881, um ano e três meses depois de fugir de Luís Gomes, ele esteve em Natal.

Na época a capital potiguar não tinha nem 20.000 almas, com estradas que faziam com que a tarefa de seguir para Luís Gomes não fosse uma viagem, mas uma jornada, quase uma expedição (atualmente esta cidade está distante de Natal, no asfalto, 444 quilômetros). Independente desta questão, consta que em Natal ninguém "reclamou" a sua pose e ele saiu livre.

Não é difícil imaginar como Francisco pode ter utilizado de uma boa "conversa" e, quem sabe, de alguns acordes da viola para convencer as autoridades que era um homem livre. Provavelmente a notícia da detenção de seu escravo deve ter chegado ao conhecimento de seu amo na povoação de Luís Gomes e este estava estampando nos jornais uma recompensa de 100$000 mil réis para que o levasse ao seu "Senhor" e 50$000 mil réis para quem o largasse em alguma cadeia.

Importância dos Anúncios

Estes anúncios seriam uma das poucas fontes para o conhecimento e o entendimento do cotidiano dos cativos.

Segundo o diplomata e historiador Alberto da Costa e Silva, que prefaciou o excepcional livro "O escravo nos anúncios de jornais Brasileiros do século XIX", do sociólogo pernambucano Gilberto Freyre, este autor foi um dos primeiros "a alertar para a riqueza desses anúncios como fonte documental para nos aproximar do universo e do cotidiano dos escravos". Neste livro Freyre utilizou estes anúncios para mostrar como se dava as relações entre os escravos e seus senhores, os tipos de ocupações que os cativos exerciam, a forma como estes escravos eram apresentados e outros pontos. Gilberto Freyre teria se debruçado nas páginas amareladas de jornais como Diário de Pernambuco (Recife), Jornal do Commercio (Rio de Janeiro) e teria conseguido reunir dez mil anúncios ao final de sua pesquisa.

O trabalho é realmente interessante e, ao longo de suas mais de 250 páginas, o leitor é transportado através dos anúncios para aquele universo de opressão que permeou a história do Brasil e até hoje sofremos as consequências.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions