Por que a "infância perdida" é menos importante que a vida de um jovem do Belém?

14 de abril de 2013

Por Gerson Carneiro
No Facebook

Há cerca de um mês o jornalista Luiz Carlos Azenha apresentou uma série de reportagens chamada "Infância Perdida". Sobre pedofilia praticada por poderosos protegidos até pela Justiça. Dentre eles, membros do Poder Judiciário, e até do Conselho Tutelar, médicos e empresários.

Não houve repercussão alguma na imprensa, nenhum autoridade, nenhum político, nenhuma igreja tomou conhecimento. Não houve apelo e nem mobilização no sentido de socorrer as crianças violentadas.

Mas um jovem de sobrenome Deppman, morador do bairro Belém, como tantos outros, foi assassinado na cidade de São Paulo, por um outro jovem de sobrenome que ignoro porque não encontrei divulgado, morador da favela Nelson Cruz.

Daí pra frente é a repetição dos discursos radiciais que ecoam todas as vezes em que a vítima da criminalidade não é pobre e negra.

Tom Cavalcante pelo twitter pediu às autoridades do País que tomassem uma providência.

Geraldo Alckmin oportunamente saltou na tela propondo redução da maioridade penal. E rapidamente a imprensa encampou a proposta populista e irresponsável.

Minha indignação é contra o reducionismo e seletividade midiáticos sobre o tema.

Quero lembrá-los que o Brasil não se resume ao bairro Belém em São Paulo. E a pedofilia denunciada na séria acima citada não é praticada por menores.

Há cerca de um mês o jornalista @[100002685859144:2048:Luiz Carlos Azenha] apresentou uma série de reportagens chamada "Infância Perdida". Sobre pedofilia praticada por poderosos protegidos até pela Justiça. Dentre eles, membros do Poder Judiciário, e até do Conselho Tutelar, médicos e empresários. 

Não houve repercussão alguma na imprensa, nenhum autoridade, nenhum político, nenhuma igreja tomou conhecimento. Não houve apelo e nem mobilização no sentido de socorrer as crianças violentadas.

Mas um jovem de sobrenome Deppman, morador do bairro Belém, como tantos outros, foi assassinado na cidade de São Paulo, por um outro jovem de sobrenome que ignoro porque não encontrei divulgado, morador da  favela Nelson Cruz. 

Daí pra frente é a repetição dos discursos radiciais que ecoam todas as vezes em que a vítima da criminalidade não é pobre e negra.

Tom Cavalcante pelo twitter pediu às autoridades do País que tomassem uma providência.

Geraldo Alckmin oportunamente saltou na tela propondo redução da maioridade penal. E rapidamente a imprensa encampou a proposta populista e irresponsável.

Minha indignação é contra o reducionismo e seletividade midiáticos sobre o tema. 

Quero lembrá-los que o Brasil não se resume ao bairro Belém em São Paulo. E a pedofilia denunciada na séria acima citada não é praticada por menores.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions