"Balas de borracha não apagam a verdade"

20 de junho de 2013

Ontem, na saída do estádio cruzamos com o Batalhão de Choque se retirando.  Um PM perguntou o placar do jogo para uma família à minha frente. "Dois a zero", responderam.  "Aqui também vencemos por dois a zero", disse outro policial.
Aí eu comecei a pensar: como a polícia tributa como vitória um enfrentamento contra cidadãos - cerca de 100 mil estavam nas ruas, conforme a PRF - que pagam seus salários?

Por Plínio Bortolotti
Em O Povo

Nunca tive dúvida de que as manifestações que acontecem em todo o Brasil são pacíficas, pela esmagadora maioria de seus participantes, e pude comprovar comparecendo ao ato de ontem. Grupos de jovens desciam de ônibus na BR 116 e caminhavam alegremente em direção à avenida Alberto Craveiro, alguns preparando seus cartazes ali mesmo, no chão, indicativo da espontaneidade dessas manifestações.

Essas placas também são reveladoras do caráter múltiplo do protesto. Não faltaram o humor das expressões cearenses, “Aí dênto, Fifa”, com a sua antítese: “Hoje a terra do humor quer falar sério”; havia meninas tranquilizando a família: “Mãe, relaxa, estou mudando o Brasil”; até os mais politizados: “Queremos saúde e escolas com padrão Fifa”. Vi também cartaz com trecho de poesia de Carlos Drummond: “Tenho duas mãos e o sentimento do mundo” e outra com um longo texto de Alberto Camus (escritor existencialista francês), cujo conteúdo não consegui ler. A diversidade dava o tom e o clima de camaradagem entre os manifestantes, mesmo entre os que não se conheciam, era visível.

Assim, chega a ser um ponto fora da curva a hostilidade aos partidos políticos de esquerda, cujos militantes mais antigos podem ser considerados “tios” dessa rapaziada. Foram eles que abriram caminho para a democracia, que todos desfrutamos hoje. A cada vez que se levantava a bandeira de um partido, imediatamente ouviam-se palavras de ordem: “Sem partido, sem partido” ou “O povo unido não precisa de partido”. (Os jovens do Egito podem ter pensado a mesma coisa.) Um integrante do PSTU me disse: “Estamos sofrendo, mas estamos aí”, referindo-se à rejeição com que eram recebidos.

Disse acima que as manifestações são pacíficas, mas existe meia dúzia que provoca e joga pedras, mesmo que os manifestantes tentem contê-los (vi um jovem confrontar os vândalos) e os participantes unirem-se no coro “Sem violência”.

Porém, a reação da Polícia Militar é absolutamente desproporcional. E, aí, não dá para saber se o governador Cid Gomes (PSB) e a Polícia Militar são despreparados ou mal intencionados: não se contentam com as bombas de gás lacrimogêneo e o spray pimenta (que podem provocar graves ferimentos). Usam indiscriminadamente balas de borracha - que tem sim poder letal.

Foi criminoso o uso desse tipo de munição, ferindo gravemente algumas pessoas. O Ministério Público deveria abrir uma ação para responsabilizar a quem de direito. E, sugiro à PM e ao governo, que reflitam sobre a advertência de uma manifestante: “Balas de borracha não apagam a verdade”.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions