Há um golpe sendo gestado no Brasil

21 de junho de 2013

O receio havia tomado conta de mim há alguns dias. 

Apesar da história que carrego, dos protestos de Natal, o cenário contemporâneo começou a mudar minhas impressões.
E hoje o meu receio virou um concreto medo.
Em Natal sempre que fomos às ruas havia uma pauta muito bem definida. Hoje, em Fortaleza, a disparidade e a difusão das pautas me deixaram ainda mais assustado. Afinal, você está lutando contra o quê? Ou pelo quê?
Não há muita certeza. 
Um rapaz, com máscara de Guy Fawkes, hostilizou um militante petista de camiseta e bandeira.  Fui conversar com ele: 
- Lutamos contra Dilma e o cara vem com a bandeira dele?, disse.
- E qual das pautas do movimento é contra o Executivo Federal?, perguntei.
- A PEC 37, ele respondeu.
- A PEC 37 é com o legislativo, não depende da Dilma.
- Mas vai para ela para aprovar... 
- Sim, mas é uma pauta do legislativo.
No fim, ele reconheceu que as demais pautas eram ligadas à gestão municipal ou estadual.
O que a Dilma estava fazendo mesmo no protesto?
Meus ouvidos ainda ecoam o grito de "Vem pra rua!"
Eu defendi que a rua precisava contar com a presença dos partidos da esquerda, inclusive daqueles que apóiam o governo. A fumacinha de um movimento catártico que podiam degringolar em uma ação golpistajá  aparecia e a única alternativa que me parecia lógica era ir disputar o espaço das ruas.
Mas aí eu fui para o protesto de hoje em Fortaleza. E tudo mudou - para pior.
Antes de sair da UFC, discuti com alunos que defendiam que as bandeiras dos partidos deveriam ser proibidas no protesto. Sua incapacidade de ouvir o que eu falava me fez pensar na inconseqüência dos seus atos: há condições históricas para uma revolução? Há uma eleição ano que vem - o que será dela? Vocês traçam estratégias para o ato com antecedência? O que farão se houver um confronto com a polícia? 
Nenhuma das minhas perguntas foi considerada. Confesso que esse iconoclastissismo radical me assistou e entristeceu.
Sai de lá com a pulga atrás da orelha.
No protesto podia ver dois grupos que me preocuparam ainda mais: de um lado, jovens absolutamente despolitizados. De outro, gente que foi para quebrar o que for possível.
Na frente da Assembleia Legislativa esse grupo estourou algumas bombas sem mais gravidade. E isso você não viu na cobertura da Globo.
O protesto seguiu e quase se dividiu quando decidiu se dirigir para o Palácio da Abolição.  Isso a Globo também não disse: depois de certa relutância, todos seguiram para o Palácio.
Vi meninos carregando estilingues. Vi fortões muito parecidos com os que apareceram em São Paulo. Vi P2, alguns muito mal disfarçados, acompanhando o protesto em marquises ou calçadas.
Cheguei no mausoléu de Castelo Branco, ao lado do Palácio, sentei na grama. Tentei religar a transmissão, mas seguia sem Internet.
A tensão era palpável. 
Os provocadores queriam agir. E agiram: começaram a disparar rojões e coquetéis molotov contra o Palácio da Abolição. A PM não havia agido até então. Não adiantaria mais aos manifestantes pacíficos recolocar no lugar as grades que os agitadores jogavam no chão.
Nesse momento revi cartazes moralistas. Tenho medo de cartazes moralistas: "Pena de morte para a corrupção", dizia um. O grito de "Sem partido" também ainda ecoa na cabeça.
Foi esse cenário que me desfez as esperanças: há gente interessada em gestar um golpe de estado no Brasil.
Tive receio pela integridade física do jornalista da Verdes Mares/Globo que estava lá.
A cena de ataque a prédios de governos se repetiu, quase como se fosse articulada, Brasil afora.  As cenas que a TV mostrou em Belém foram muito semelhantes às de Fortaleza.
E nós não sabíamos o que ocorria no resto do país. Em São Paulo, militantes de PT, PCdoB, PSTU foram hostilizados aos gritos de Ditadura Já.
Em Natal, militantes de partidos foram agredidos. Dário Barbosa, dirigente do PSTU, sofreu uma garrafada.
A sensação com a qual eu sai das ruas hoje é de que há alguém gestando um golpe de estado no Brasil.
Horas de os partidos, os democratas e as esquerdas se unirem enquanto houver tempo.
Sempre fui para as ruas numa luta por mais democracia.  Atacar os partidos e esses símbolos do governo só serve para que consigamos menos democracia - ou nenhuma.

5 comentários:

Ana Flávia Pereira de Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Flávia Pereira de Medeiros disse...

O que é P2?

Ana Flávia Pereira de Medeiros disse...

O que é p2?

Rafael disse...

nem todos que se juntam à um movimento partidário são necessariamente politizados. façam uma pergunta dessas durante uma passeata de algum partido político durante alguma eleição. basta que exista um sentimento de querer mudanças para muitos se juntarem à caminhada. é isso que está ocorrendo nessas manifestações. de fato tem muita gente que não sabe pelo o que está lutando, mas sabem que estão insatisfeitos. e de que serve um governo se não para trabalhar para o povo e satisfazê-lo!? infelizmente, a culpa é de todos os governantes e tais governantes estão ligados diretamente a um partido. então, como aceitar partidos que representam tais governantes? como não se indignar ao ir às ruas protestar contra a corrupção e ao ver a bandeira do PT não lembrar do mensalão, do Lula e os 9,5 milhões (banco BMG) e do rabo preso da Dilma com os seus 39 ministérios. Como não lembrar, ao ver a bandeira do PSDB, das privatizações e do favorecimento dos banqueiros no governo FHC? O povo está desacreditado e desde muito tempo. Só vejo uma saída: leis severas contra a corrupção, e uma comissão para investigar diariamente toda a movimentação de dinheiro que ocorre no país. se o Brasil é o país que tem uma das maiores cargas tributárias do mundo, pra onde está indo esse dinheiro? o povo quer acreditar de novo nos governantes e se não, que pelo menos tenham um sentimento de que de fato, esse dinheiro é gasto com a gente e não em benefício próprio.

Daniel Dantas Lemos disse...

P2 é um militar da Inteligência da PM.

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions