Manifestações em Natal: A Caixa de Pandora está se abrindo?

23 de junho de 2013

Por Wellington Duarte
No Blog Velho Ranzinza

Na quinta-feira (20) Natal teve uma das maiores manifestações populares da sua história recente. Um mar de jovens, especialmente jovens, inundou a BR-101 e expôs as entranhas de um sistema político anacrônico, que há muito deixou de estar em sintonia com o desenvolvimento da democracia, mas que permanece presente graças a uma série de elementos que ainda não foram superados.
Natal em 20 de junho : milhares na BR-101
Banho de democracia? Certamente que a democracia brasileira, que tem apenas 28 anos, foi sacudida por milhares que foram as ruas do Brasil e pelos pouco mais de 20 mil que se espalharam pela BR-101, numa miríade de cores e interesses. É de se lamentar que a retirada dos ônibus, estratégia dos empresários com o beneplácito do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do RN (SINTRO-RN), tenha desestimulado, quero crer, a participação de milhares de trabalhadores que poderiam ter engrossado essa manifestação. Mas isso é mera suposição.

BR-101 em Natal : a maioria era de jovens.
Acompanhando uma tendência vista nas últimas manifestações, emergiu um grito “apartidário”, violento e truculento, estranho a manifestações que seriam “democráticas”, animado pelo sentimento, justo, de indignidade contra um sistema que eles mesmos sustentam, ou pelo menos sustentavam até semanas atrás, via apatia política e o voto sem critério algum.
As bandeiras dos partidos foram hostilizadas
A moçada, movida pela adrenalina e animada pelos sussurros e gemidos vindos da obscuridade fascista, puseram em ação a truculência anti-democrática via gritos de liberdade e democracia.
Democracia....democracia?
Protesto que, se num primeiro momento foi considerado “baderna” pela mídia, como num passe de mágica, passou a ser “manifestação” e a “baderna” passou a ser reverenciada como um “muda Brasil”, talvez numa referência ao “Fora Collor”. A crise de representação, que se arrasta desde a década de 90, agora foi exposta à sociedade e a face dessa crise é feia.

A alegria, mesclada com indignação, sem líderes ou liderados, agrada à imagem de quem defende a liberdade do indivíduo, aquele que não responde a ninguém senão a ele mesmo. Não é toa que a postura anarquista voltou a ser vista, por essa massa, como algo atrativo, embora seja uma espécie de “anarquismo soft”, sem referência aos postulados anarquistas e muito mais movido pelo rechaço ao modelo vigente.
Manifestações em todo o Brasil, e especificamente aqui, com várias bandeiras, vários questionamentos e enfurecida pelo anacronismo do sistema de representação política, por um Judiciário corporativo e por uma camada dirigente que, em boa medida, assenhorou-se do aparelho do estado para se auto-reproduzir, fez essa massa literalmente “surtar”. E pequenos grupos, nada desorganizados, aproveitaram esse momento para apresentar seu propósito : a destruição pela destruição, como que para ser um grito de revolta e não apenas de protesto.
Vários pequenos movimentos, sendo o mais expressivo deles o #Revolta do Busão, mergulharam no processo, reverenciando o espírito apartidário e realçando a face democrática via “coletivos”, como se isso não fosse uma forma de organização. A máscara do Anonymus provou que a não-face, que expressa um sentido do “eu sozinho”, também carrega a semente do niilismo que não se sabe bem para onde vai.
Mas manifestações foram infiltradas por provocadores que realizaram atos violentos e assumiram bandeiras políticas reacionárias, mirando não nos governadores e prefeitos, e muito menos nas câmaras, assembleias ou o próprio parlamento. O alvo, claramente passou a ser a presidente Dilma Roussef, e isso ficou claro nas intervenções dos articulistas reacionários da Veja, o esgoto midiático que se apresenta como revista.
A transformação da luta democrática e social em um cenário de caos e desordem é o “sonho de consumo” forças da direita golpista, que se antes pareciam um delírio esquerdista, agora o que se vê é o seu assanhamento.
Resta saber até onde essas manifestações irão. E também como a esquerda vai se comportar diante dessa situação.
Pandora está se abrindo.

1 comentários:

central do rock disse...

Cara, muto bom esse seu blog. Eu li a outra postagem sobre "um golpe sendo gestado no Brasil", e muito boa também. Concordo plenamente com você sobre o que estão falando do "Fora Dilma", essa ideia com certeza foi colocada na cabeça dos manifestantes por parte da Direita, por mídias como a Globo e a VEJA. Devemos tomar cuidado, até onde essas manifestações vão nos levar, pois como você disse: Há um golpe sendo gestado no Brasil.

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions