Ucrânia: Quem está impedindo as necessárias conversações com a Rússia?

11 de abril de 2014

10/4/2014, Moon of Alabamahttp://www.moonofalabama.org/

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu


Assim começa a carta que o presidente Vladimir Putin da Rússia dirigiu hoje a líderes de outros países europeus:


"A economia da Ucrânia nos últimos vários meses está despencando. Os setores industrial e de construção também estão em rápido declínio. O déficit em orçamento está aumentando. A condição do atual sistema monetário torna-se mais deplorável a cada dia. A balança comercial negativa vem acompanhada da fuga de capitais, que deixam o país. A economia da Ucrânia caminha a passos acelerados para o calote, parada na produção e desemprego explosivo." [1]


Especialista 'ocidentais' concordam:


"A agência Moody rebaixou recentemente a dívida soberana da Ucrânia, de 'extremamente especulativa' para 'calote iminente, com mínima possibilidade de recuperação'. Moody baseou sua decisão não só na crise política que continua em escalada, mas na rápida queda das reservas ucranianas em moedas estrangeiras; no nível explosivo da dívida (de 40% do PIB, no final de 2013, para nível projetado de 60% ao final de 2014); e no crescimento estimado com otimismo para algo entre -3% e -4% para todo o ano de 2014. Embora o novo governo em Kiev não seja culpado pela carnificina econômica que afinal transpirou, o fato de que Yanukovych e seu grupo serem responsáveis em nada altera a realidade da situação: gostemos ou não, a Ucrânia está em queda livre econômica." [2]


Um 'resgate' pelo FMI de cerca de $16 bilhões, acompanhado de várias terríveis cadeias talvez apareça em maio. Mas esses $16 bilhões equivalem ao que a Ucrânia deve à empresa estatal russa de energia, a Gazprom. Se não pagar o que deve à Gazprom, acabam-se as remessas de gás russo, sem as quais as indústrias química e metalúrgica no leste da Ucrânia terão de fechar. Depois, só se podem esperar desemprego e agitação social cada vez maiores.

Alguns argumentaram que a União Europeia (de fato, os contribuintes alemães) deveriam resgatar a Ucrânia e apontam a Polônia como um caso bem-sucedido de recuperação com ajuda da União Europeia. Mas a Polônia recebeu[3] cerca de $150 bilhões de ajuda estrangeira durante 10 anos e ainda vai precisar de mais dinheiro. E, isso, quando a posição financeira da União Europeia ainda gozava de alguma saúde. Ninguém na Europa, com certeza nenhum contribuinte alemão, tem qualquer interesse em investir coisa alguma desse tipo para "ganhar" a Ucrânia. Nem os EUA darão qualquer ajuda. Os EUA só deram garantias para um empréstimo – que, de fato, não passa de subsídio para bancos norte-americanos, por um reles empréstimo de $1 bilhão, no caso de a Ucrânia desejar tomar o empréstimo.

Desde meados de fevereiro, a moeda ucraniana, o Hydrina, caiu[4] de $0,12 para $0,08. Os empréstimos e contas que a Ucrânia tem de pagar têm de ser pagos em dólares norte-americanos ou em euros. A cada dia que passa a moeda cai mais, o que faz aumentar a dívida em relação ao PIB do devedor.

Desde janeiro, a Rússia vem propondo conversações com outros líderes europeus, para buscarem uma solução para a crise econômica da Ucrânia. Ninguém tomou conhecimento das propostas russas. Parece que União Europeia e EUA estão simplesmente ignorando o problema e esperando calmamente pelo calote e pelo mergulho ainda mais profundo da Ucrânia, no caos.

Qual a intenção por trás dessa atitude? Por que nada disso foi considerado, quando EUA e União Europeia pressionaram para a 'mudança de regime'? Será tudo isso apenas atitude infantilóide de "se não posso ter a Ucrânia, então destruo a Ucrânia"? Mas... para quê?

Putin lembra que muito do gás que chega à Europa 'ocidental' flui por gasodutos que cruzam a Ucrânia. Se a Gazprom não receber o que lhe é devido, suspenderá o fluxo de gás destinado à Ucrânia. Nesse quadro, o mais provável é que a Ucrânia reduza o fluxo de gás destinado a outros países. Esse é um problema europeu. Por que a União Europeia já não está liderando conversações sobre a Ucrânia?

Embora a imprensa-empresa esteja movendo furiosa campanha anti-Rússia, ninguém pode dizer que a Rússia não tenha integral direito de ser paga pelo gás que vende e entrega. A Rússia pode também facilmente suspender todas as entregas de gás para o 'ocidente' por alguns meses e encher os novos gasodutos na direção do leste e da China. Nada disso ajudará a sobrevivência da União Europeia.

Não há absolutamente coisa alguma que a União Europeia possa ganhar por não estar em conversações com a Rússia e por nem tentar encontrar solução para a Ucrânia. O quê, ou quem, está impedindo o início dessas conversações? ******



[1] 10/4/2014, "Putin: Carta a governantes europeus (Ucrânia, a Europa e o gás)", publicada em ITAR-TASS (texto integral), traduzido em http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/04/putin-carta-governantes-europeus_10.html [NTs].

[2] Forbes, 9/4/2014, "Não importa o que aconteça no leste, a Ucrânia caminha para o calote" (ing.) em http://www.forbes.com/sites/markadomanis/2014/04/09/no-matter-what-happens-in-the-east-ukraine-is-going-to-default/

[3] Forbes, 10/4/2014, "O ocidente pode ganhar a Ucrânia, mais vai custar muito dinheiro", (ing.) em http://www.forbes.com/sites/markadomanis/2014/04/10/the-west-can-win-ukraine-but-its-going-to-cost-a-lot-of-money/

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions