Operação Pecado Capital: Justiça Federal determina afastamento de Gilson Moura da Assembleia Legislativa

27 de junho de 2014

Na Tribuna do Norte

A Justiça Federal determinou que Gilson Moura seja afastado do cargo de deputado estadual, além da indisponibilidade de bens dele e outros seis envolvidos no esquema investigado na Operação Pecado Capital. A decisão foi tomada após o Ministério Público Federal (MPF) apresentar 11 novas ações de improbidade administrativa contra o parlamentar e outras 15 pessoas.

Entre as denúncias do MPF estão casos de funcionários fantasmas, obras superfaturadas, e contratos de empresas pelo Instituto de Pesos e Medidas (Ipem/RN) entre 2007 e 2011 durante a gestão de Rychardson de Macêdo, para prestar serviços ao deputado. Segundo os documentos apresentados pelo MPF, os desvios financiavam as campanhas e interesses políticos de Gilson Moura, Lauro Maia e o advogado Fernando Antônio Leal Caldas Filho. Os três são apontados como beneficiários do contrato ilegal entre o Ipem/RN e o Auto Posto JR II LTDA., que incluiu fraude, dispensa indevida de licitação e pagamentos indevidos de centenas de milhares de reais. O processo aponta que os prejuízos aos cofres públicos resultem em um montante de R$ 1.657.316,60.

Envolvimento do deputado em fraudes foi descoberto na Operação Pecado Capital
Envolvimento do deputado em fraudes foi descoberto na Operação Pecado Capital

No final de 2013, o ex-diretor Rychardson Macedo e outros envolvidos esclareceram através de delação premiada que Gilson Moura, Lauro Maia e o advogado Fernando Caldas Filho eram os destinatários finais da maior parte dos recursos públicos desviados. “As declarações prestadas pelos colaboradores confirmaram elementos que apontavam no sentido da participação do parlamentar, do filho da ex-governadora e do advogado em referência no esquema”, destaca o MPF.

O envolvimento de Gilson Moura nas fraudes foram descobertas através de interceptações telefônicas, quando o nome dele foi mencionado quando se tratava do esquema de desvios de recursos. Segundo o MPF, além dos telefonemas e dos depoimentos, a participação do parlamentar se confirmou através da quebra de sigilos bancários e nas diligências de busca e apreensão

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions