O Senhor me deu Seu Espírito (…) e me enviou (…) [para] libertar os que estão sendo oprimidos

22 de setembro de 2014

Lucas (Lc. 4. 18) relata que Jesus tomou o livro de Isaías na Sinagoga e leu esse trecho. E depois anunciou: “Hoje se cumpriu o trecho das Escrituras Sagradas que vocês acabam de ouvir” (Lc. 4. 21).
Ao anunciar o “tempo em que o Senhor salvará o seu povo”, Isaías complementa que o Servo seria enviado "para consolar os que choram” (Is. 61.2).
A tradição do cristianismo identifica o texto de Isaías como uma profecia acerca de Jesus. E entende que o ministério de Jesus, o Messias, ungido pelo Espírito, é continuado pela igreja.
Fiquei pensando de ontem para hoje em uns tantos oprimidos aos quais a igreja negligencia ajuda para se libertar: as mulheres submetidas ao machismo, os negros submetidos ao racismo, os trabalhadores submetidos à exploração, os homossexuais e trans submetidos à transhomofobia.
Em vez de libertar mulheres do machismo, temos um candidato pastor acusado por violência doméstica.
Em vez de libertar os negros do racismo, temos um pastor deputado que os chama de amaldiçoados publicamente.
Em vez de ajudar a libertar trabalhadores da opressão, reclamamos quando lutam por seus direitos em greves, ocupações. Ou defendemos flexibilizar seus direitos. Ou modificar a lei que tipifica o trabalho escravo no país.
Os cristãos pretendem, às vezes parece, trancafiar os gays em seus armários e atirá-los às chamas do inferno.
Fiquei pensando que libertar os oprimidos bem pode significar nos dias atuais ajudar a arrombar as portas de tantos armários que ainda existem a serem abertos. E ajudar os oprimidos a encontrar libertação.

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions