O Globo e a demissão de Paulo Roberto Costa

2 de outubro de 2014

Por Luís Nassif

No Jornal GGN

Cada leitor tem o jornal que merece. E cada jornal tem o leitor que merece.

Se acredito que meus leitores são inteligentes, vou tratá-los com inteligência.

Mas aparentemente O Globo abriu mão de qualquer veleidade em relação à inteligência de seus leitores.

Sua "denúncia" de hoje é a de que, ao contrário do que Dilma afirmou, Paulo Roberto Costa não foi demitido das Petrobras, mas se demitiu.


Qualquer setorista que acompanha a Petrobras sabe que o primeiro ato de Graça Foster, ao assumir sa presidência, foi a não recondução de Costa ao seu cargo. A não recondução equivale à demissão. Mas a saída precisa ser formalizada no Conselho.

A maneira usual de qualquer S/A proceder formalmente é "aceitar" o pedido de demissão do diretor demitido.

A demissão sumária só acontece quando o diretor é flagrado em falta grave - o que ainda não ocorrera com Costa na época em que saiu. Caso contrário, além de levantar uma baita fumaça na mídia, ainda sujeitaria a empresa a ações de danos de imagem por parte do demitido.

A falta de rigor com que a chamada grande imprensa trata os fatos a mantém a uma distância estelar de seus congêneres de países desenvolvidos.

de O Globo

Dilma afirma que demitiu ex-diretor da Petrobras, mas ata diz que Costa renunciou

Documentos desmentem versão da presidente de que foi ela quem exonerou ex-funcionário da estatal

por Maria Lima e Eduardo Bresciani

Por Luís Nassif


Leia mais aqui.

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions