O que o #DesesperodaVeja diz para nós

24 de outubro de 2014

O que fez, ou tentar fazer a Veja, serve para nos despertar: a campanha se encerra somente no domingo, quando a última urna for apurada. A vitória não é garantida sem que nenhum dos 140 milhões de votos seja depositado nas urnas eletrônicas do Amapá ao Rio Grande do Sul, do Acre ao Rio Grande do Norte. E, caso obtenhamos a vitória da presidenta Dilma Rousseff nas urnas não terá sido apenas a vitória da mais bela campanha de que se tem notícia no país - será a vitória do povo contra as forças conservadores anti-povo. Será a nossa vitória.

A Veja também nos impõe outra condição - ao povo na rua e à presidência Dilma no poder: não podemos deixar as ruas. Não podemos parar de pressionar esse congresso conservador que foi eleito para que se possa avançar nos compromissos com a Reforma Política (conforme pediram as mais de 7 milhões de pessoas que participaram do Plebiscito Popular), com um pacto federativo que permita à União partilhar maiores responsabilidades com a segurança pública, com a criminalização da homofobia, com o fim dos autos de resistência (por trás de todo genocídio da população jovem e negra do país) e com a democratização da mídia a partir de sua regulação econômica conforme previsto (e nunca regulamentado) no texto constitucional de 1988.

Ou seja: mais que nunca, vencer uma eleição é apenas vencer uma batalha por mais democracia, mais povo, mais mudanças, mais avanço, mais justiça, mais direitos, mais povo, mais povo, mais povo, mais amor e menos ódio.

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions