Ódio de Classe: Um texto de "humor cáustico" e o lamentar das elites

14 de janeiro de 2015

Por Wellington Duarte
No Velho Ranzinza

A blogueira e colunista do enfadonho jornal O Globo, Silvia Pilz, é uma ilustre desconhecida para a esmagadora maioria dos cidadãos brasileiros. Não representa nada, nunca participou de nada, enfim é um grande “nada”. Tem uma coluna, que deve ser vista por meia dúzia de pessoas “do meio”, que leva o nome de “zona de desconforto”.
Mas, como todo candidato a “nada”, tem que ter seu dia de “tudo”, a dita colunista levantou-se um dia desses perdidos, olhou para o espelho e se viu como um ser inefável, capaz de sacudir seus leitores com um texto de humor “cáustico”, mordaz, que choca. E veio a pérola, publicada no seu blog, com o título de “o plano cobre” (http://oglobo.globo.com/blogs/silvia-pilz/posts/2015/01/13/o-plano-cobre-558602.asp) que, segundo a blogueira foi feito para “divertir” as pessoas.
O texto exala a mais fétida provocação preconceituosa sobre uma camada de pessoas que formam a sociedade, como jamais li. Os que foram em defesa da blogueira, afirmaram que se vive num “mundo chato” e que ninguém mais pode ter um humor ácido, que logo vem a ladainha dos “politicamente corretos”. Outros afirmaram que o “jumentos” não entenderam a sagacidade da autora, pois a mesma estava fazendo uma crítica ao sistema de saúde.

Silvia Pilz e o "horror à pobre": ódio de classe disfarçado de "humor cáustico"


Essa carioca, jornalista de quase 44 anos, nos presenteou com uma verdade e por isso devemos agradecer. Revelou o mais profundo ódio de classe que se pode ter dentro de um ser humano, e de como esse ódio pode ser expresso via “humor cáustico”. Mas ela não é nenhuma celebridade e nem representa nada. Apenas surtou e num arroubo de pedantismo próprio dos que se embriagam com o cheiro dos perfumes dos ricos, expôs sua verve contra os tais “pobres”. O verdadeiro ódio de classe está cada vez mais nítido e se revela nas redes sociais sem pruridos e nem meias palavras.
A versão de que o texto foi “irônico”, só revela que o surto durou pouco tempo e as reações nas redes sociais foram tão negativas, que a citada blogueira veio com uma desculpa esfarrapada da "não explicação" do seu ato, por ser parte de um “humor cáustico”. Não poderia pedir desculpas, pois estaria admitindo sua culpa e nem poderia assumir a culpa, pois seria mais criticada ainda. Preferiu o caminho dos grandes produtores do “nada”. Fez de conta que nada fez.
Essa senhora não tem importância nenhuma nas nossas vidas e nem na nossa dura realidade, mas em tempos de crise civilizatória, textos como esses servem para alimentar, nas elites, o pavor à ascensão de camadas da população que eram alvo de piadas nos “bons tempos” e hoje, para horror de muitos, não aceitam mais ser motivo de gargalhadas dos que se acham superiores, mesmo que com todo arsenal de hipocrisia de que dispõem.
Se irritar com a “chatice” do mundo porque não devemos mais tolerar alimentar o preconceito com as piadinhas do passado, é uma demonstração de que estamos ainda longe de querer aceitar que as pessoas não podem vivem em estratos sociais imóveis. Não vivemos num sistema de castas e é correto que nem o negro e nem o pobre aceitem mais ser motivo de riso.
Sem mais.

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions