Salários, empregos e universidades explicam votação de Dilma no Nordeste

23 de outubro de 2014

http://eleicoes.uol.com.br/2014/noticias/2014/10/23/empregos-salarios-e-universidades-explicam-sucesso-de-dilma-no-nordeste.htm

Resumir a vitória esmagadora da candidata à reeleição Dilma Rosseff (PT) no Nordeste no primeiro turno ao pagamento do Bolsa Família seria minimizar os avanços em várias áreas obtidos da região neste século.

No primeiro turno, a petista teve uma vantagem de 12,2 milhões de votos sobre o tucano no Nordeste. Aécio foi o mais votado no Sul, no Sudeste e no Centro-Oeste, mas na soma do país ainda ficou com 8,3 milhões de votos a menos do que a candidata à reeleição, o que mostra a importância do Nordeste na definição do resultado.

As duas pesquisas divulgadas pelo Datafolha nesta semana confirmam o favoritismo da presidente na região no 2º turno. O levantamento mostra que o Nordeste apresenta o maior desequilíbrio entre os candidatos nas intenções de voto. Dilma alcança a marca de 70% dos votos válidos enquanto Aécio não passa de 30%.

Em relação à primeira pesquisa feita pelo Datafolha no segundo turno, entre os dias 8 e 9 de outubro, a vantagem da presidente na região cresceu oito pontos percentuais.

Assim como em 2010, a discussão sobre o "voto nordestino" voltou a ser alvo de críticas nas redes sociais. Logo após a confirmação da vitória de Dilma no primeiro turno, uma série de internautas lançou ataques aos nordestinos na internet.

Além disso, uma declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao UOL colocou mais lenha na fogueira. "O PT está fincado nos menos informados, que coincide de ser os mais pobres. Não é porque são pobres que apoiam o PT, é porque são menos informados", afirmou.

Para especialistas consultados pelo UOL, os votos são reflexo do pujante crescimento econômico, das obras e do triplo de estudantes do ensino superior na região.

Segundo o Banco Central, a economia nordestina cresceu 2,55% no segundo trimestre de 2014. Nenhuma região consegue resultado tão expressivo e a tanto tempo seguido. Pela medição do IBGE, a economia do Brasil encolheu 0,6% de abril a junho. 

O crescimento da economia pode ser explicado pelos ganhos econômicos da região. 

Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), entre 2001 e 2012, o nordestino teve o maior ganho de renda entre todas as regiões, o que fez com a participação da base da pirâmide social caísse 66% para 45% --ou seja, mais de 20 milhões de pessoas deixaram a pobreza.

Um dos dados que explicam esse ingresso na classe média é a geração de empregos com carteira assinada. Em 2002, 4,8 milhões de nordestinos tinham emprego formal. No final do ano passado, eram 8,9 milhões. 

Segundo o Carvalho, o Bolsa Família não é que sustenta a maioria dos nordestino, já que existem menos beneficiários que pessoas que recebem Previdência ou emprego formal --que pagam valores bem maiores.

"O Nordeste possui 17 milhões de famílias. Atualmente, são 8,9 milhões de trabalhadores com carteira assinada, 8,7 milhões de previdenciários e 7 milhões de famílias cobertas pelo programa Bolsa Família. Ou seja, a renda, ainda que mínima, chega praticamente a todos os domicílios", explica o professor de Economia da Ufal (Universidade Federal de Alagoas), Cícero Péricles Carvalho.

Com mais dinheiro circulando, o Nordeste também virou alvo de grandes indústrias e redes, com investimentos em andamento superando os R$ 100 bilhões. 

"O fenômeno do consumo massivo dos chamados segmentos populares é mais uma dessas expressões que ajudam a entender o que se passa na região. Neste período, o Nordeste tem recebido muitos investimentos privados e públicos, e o resultado são taxas de crescimento maiores, em média, que as nacionais", completa Carvalho.

Mais universidades e estudantes

Outro número expressivo é a quantidade de estudantes em cursos superiores. Em 2000, segundo dados do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o Nordeste tinha 413.709 universitários.

Em 2012, esse número saltou para 1.434.825. Com isso, a região ultrapassou o Sul e passou a segunda com maior número de estudantes do ensino superior --20% do total--, atrás apenas do Sudeste.

Nos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, 18 universidades federais foram abertas --sete delas no Nordeste, todas fora das capitais.

As universidades contam com unidades em mais de um município. Criada no ano passado, a UFSB (Universidade Federal do Sul da Bahia), por exemplo, tem campi nas cidades de Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas.

Além da Bahia, as novas universidades federais se espalham pelo interior de Pernambuco, do Rio Grande do Norte, do Ceará e do Piauí. Vinte e oito municípios nordestinos foram contemplados com unidades dessas instituições. Dilma Rousseff venceu em todos no 1º turno.

Em 16 deles, a votação da candidata à reeleição foi mais alta que a obtida no Estado.

Para o cientista político Geraldo Tadeu, diretor do Iuperj (Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro), vinculado à Universidade Cândido Mendes, a presença de universidades tem peso político nas cidades.

"Quando você coloca uma universidade federal numa cidade mais carente, o impacto é muito maior do que numa cidade com mais estrutura. Dá oportunidade de formação sem necessidade de deslocamento para as capitais e gera uma massa salarial de funcionários e professores. Politicamente, faz um divisor muito grande", afirmou.

Obras

O professor de Ciências Sociais da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) Michel Zaidan lembra que a região também foi contemplada com grandes obras estruturantes.

"O governo Lula mudou completamente o quadro, reintroduziram toda a politica regional no Brasil. Tivemos aqui obras como a transposição do São Francisco, a Transnordestina, o porto Suape, a refinaria de Abreu e Lima, fora todo o conjunto de medidas. Para o nordestino, votar em Dilma é uma escolha racional", avaliou.

0 comentários:

 
De olho no discurso © 2012 | Designed by Bubble Shooter , in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions